Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Campus Monte Castelo sedia maratona feminina de jogos
Início do conteúdo da página Notícias

Campus Monte Castelo sedia maratona feminina de jogos

A Women Game Jam (WGJ 2019) ocorre em várias cidades da América Latina. Esta foi a primeira edição em São Luís.
  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 23/09/2019 17h08
  • última modificação 23/09/2019 17h10

Realizada pela primeira vez em São Luís, a maratona de jogos só para mulheres Women Game Jam (WGJ 2019) foi sediada pelo Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus São Luís – Monte Castelo durante o fim de semana de 13 a 15 de setembro. O evento teve apoio do Laboratório JOGA-AÍ, do IFMA, além da AMAGAMES, Creative Packs e das comunidades Women TechMakers e Mulheres Digitais. Trata-se de uma iniciativa que acontece simultaneamente em várias cidades da América Latina há três anos.

Um total de 20 participantes foram divididas em quatro equipes que receberam o tema “Identidade e Independência”. A maratona começou às 18h do dia 13 de setembro e foi até as 19h do dia 15 de setembro. No fim, cada um dos times propôs um jogo.

Para a coordenadora do Laboratório JOGA-AÍ, professora Eveline Sá, apesar de as mulheres serem maioria no Brasil no que se refere ao público de jogadores, essa não é a realidade quando se trata do desenvolvimento de games – sendo este representado apenas por 22%, segundo o censo realizado em 2018. “Por isso iniciativas como essas são importantes, para que esse quadro mude.  Em uma equipe de desenvolvimento de jogos há espaço para vários conhecimentos poderem ser integrados, o que aumenta as chances do público feminino acessar com mais facilidade e confiança áreas que envolvam a tecnologia”, pontua.

Segundo a participante Milady Amaral, estar num ambiente apenas de mulheres, mesmo sendo uma maratona, torna o aprendizado menos competitivo. “Faz você se sentir mais confortável para trocar informações, solicitar ajuda, por exemplo”, comenta. Outra participante, Livinny  Silva, destaca que o fato de não saber nada sobre desenvolvimento de jogos não impossibilita a participação em eventos desse formato. “A integração se dá mais facilmente e a aprendizagem flui melhor”, complementa. Com o intuito de capacitar as mulheres interessadas e divulgar o evento, nos sábados anteriores à maratona foram oferecidas três oficinas: Game Design, Construct 2 e Concept Art.

“O mais gratificante foi ver a consciência se formando em cada uma delas de que a mulher tem condições de conquistar seu espaço, em qualquer área, principalmente naquelas que dependem da tecnologia”, conclui a professora Eveline Sá.

registrado em:
Fim do conteúdo da página